Banner do topo

Seminário sobre Revolução Russa lota teatro do Instituto Histórico e ganha novo local

Atividade teve início na segunda-feira, dia 8 Atividade teve início na segunda-feira, dia 8 Foto: Douglas Roehrs / Sindjors

Faltou espaço no teatro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRGS), na noite de segunda-feira, 8 de maio, primeiro dia do seminário 100 Anos da Revolução Russa. Os 150 lugares do local foram insuficientes para receber todo o público interessado em ouvir os palestrantes falarem sobre os legados da revolução que marcou todo o século XX e continua repercutindo no século XXI.

 

Promovido pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRGS (IFCH), pelo IHGRGS, pela Fundação Maurício Grabois (FMG) e pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ), o evento, que tem apoio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS (SINDJORS), trouxe renomados estudiosos para falarem sobre o tema.

 

Após a abertura do seminário, que contou com representantes das entidades promotoras, a mesa O legado de 100 Anos da Revolução Russa evidenciou a ideia de que tanto os europeus quanto os norte-americanos temiam a influência da Revolução Russa de 1917 sobre os trabalhadores locais. Os historiadores Augusto Buonicore (FMG), Analúcia Danilevicz (UFRGS) e Luís Dario (UFRGS) expuseram seus pontos para o público, que posteriormente pode fazer perguntas. A mediação foi do historiador Miguel do Espírito Santo (Presidente do IHGRGS).

 

Buonicore lembrou que a Suprema Corte dos Estados Unidos só considerou inconstitucional a existência de escolas separadas para brancos e negros quando foi alertada pelo governo que essa divisão favorecia a pregação dos comunistas americanos.

 

Segundo o professor Luis Dario, as mulheres eram tratadas com igualdade em relação aos homens na União Soviética, participando inclusive de combates.  Citou o caso de Lyudmila Pavlichenko, atiradora de elite, que respondia de forma direta e objetiva quando lhe perguntavam quantos homens havia matado: “Nenhum. Matei 300 fascistas”.

 

A professora Ana Lúcia, contrapondo a ideia de falta de liberdade difundida no Ocidente, destacou que a revolução trouxe plena liberdade para o povo depois de séculos de autoritarismo do czarismo. Até o fim de União Soviética, segundo ela, o sistema democrático era extremamente capilarizado. “Inclusive no Judiciário havia democracia e não decisões autoritárias de um único e jovem juiz”, ironizou, lembrando o caso atual brasileiro.

 

150 lugares foram insuficientes Foto: Jorge Correa / Sindjors

 

Devido ao grande público, os próximos encontros serão realizados na sede da Fetrafi/RS (Cel. Fernando Machado, 820 – Centro Histórico, Porto Alegre), espaço que permite 400 pessoas. Com isso, as inscrições foram reabertas e podem ser feitas pelo email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou nas secretarias do IFCH (Campus Vale) e do IHGRGS. Informações podem ser obtidas pelos telefones (51) 3308.9800 e 3224.3760.

 

Além da história da Revolução Russa e da experiência da União Soviética (URSS), o seminário, que ocorre até 12 de junho, todas as segundas-feiras, irá examinar o conjunto de experiências revolucionárias dos últimos 100 anos, o processo de descolonização, as causas e as lições do colapso soviético, as experiências socialistas que persistem e as perspectivas da luta pelo socialismo no século XXI.

 

O próximo encontro, dia 15, irá discutir a URSS, o movimento comunista internacional e a luta anticolonial, com a presença do filósofo e historiador João Quartim de Moraes (UNICAMP), do historiador Enrique Serra Padrós (UFRGS) e do prof. de Relações Internacionais Diego Pautasso (UNISINOS). A coordenação será da historiadora Ana Regina F. Simão (ESPM/ULBRA).

 

Imprensa / Sindjors

Última modificação em Quarta, 10 Maio 2017 15:23

Notícias - Tags

3º Congresso Nacional Extraordinário de Jornalistas (CONEJ) 36º Congresso Estadual dos Jornalistas 63ª Feira do Livro de Porto Alegre aceg acordo coletivo Artigos assembleia assembleia geral de previsão orçamentária para 2018 assembleia legislativa audiência pública Brasileiros em Pauta Campanha de Negociação Coletiva 2014 camponeses Caxias do Sul chaparini cinebancários cinema comdim comunicação Concursos Concurso TVE e FM Cultura Conferência Livre de Comunicação em Saúde congresso nacional dos jornalistas convênios corsan cultura curso de extensão cursos CUT cutrs debate delegacia regional delegado sindical diretas já EBC Edital eleição Eleição SINDJORS 2016 Encontro Gaúcho pelo Direito à Comunicação Entrevistas evento Exposição falecimento Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) FENAJ FNDC fotografia frei Sergio Görgen, Josi Costa e Leila Denise Meurer Frente Jurídica em Defesa das Fundações fundação piratini Fundação Universidade de Caxias do Sul (FUCS) fundações fórum social das resistências governo Sartori greve de fome greve geral GREVE NACIONAL grupo rbs imprensa I Seminário Estadual Saúde do Trabalhador jornalismo Jornalismo e o golpe na política Jornalismo na Mídia Juremir Machado da Silva, Denise Mantovani e Moisés Mendes livro matheus chaparini mulher Notas Oficiais núcleo de aposentados ocupação palestra paulo pimenta pec 241 Piratini (TVE e FM Cultura) poder da mídia porto alegre previdência prêmio Prêmios Jornalismo record reforma da previdência reforma trabalhista revolução russa rio grande salário sartori seminário Serra Gaúcha sindbancários Sindicato sindjors Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região TRTRS TVE e FM Cultura UCSTV Vagas de Emprego versão dos jornalistas violência violência policial Vitória – ES

Imposto Sindical - GRCSU

 

Mensalidades do Sócio - Pagamento de Mensalidade SINDJORS

Subir