Detalhes Notícia


Marcha Independente Zumbi Dandara enfatiza a luta antirracista em Porto Alegre

Atividade do Novembro Antirracista Unificado ressaltou o contexto de racismo pelo qual perpassa o país, a ausência de políticas públicas e a expectativa para o novo período, no governo de Lula - Foto: Jorge Leão/Diretoria SindjoRS

 

Organizado por mais de 40 entidades, entre elas o Sindicato de Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (SindjoRS), a marcha teve como lema “Enquanto houver racismo, não haverá democracia”

 

No 20 novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, centenas de pessoas tomaram as ruas de Porto Alegre, cidade onde nasceu a data, durante a Marcha Independente Zumbi Dandara. Organizada por mais de 40 entidades, a marcha do Novembro Antirracista Unificado ressaltou o contexto de racismo pelo qual perpassa o país, a ausência de políticas públicas e a expectativa para o novo período, no governo de Lula (PT).

 

A marcha teve como lema “Enquanto houver racismo, não haverá democracia. Ditadura nunca mais!” Por volta das 16h, os primeiros manifestantes se concentraram no Largo Zumbi dos Palmares, na Cidade Baixa. Com faixas, cartazes, tambores, manifestações da matriz africana, capoeira, esquetes culturais e carro de som, o ato contou com apresentações de rappers porto-alegrenses, falas de sindicatos e movimentos sociais.

 

Após as manifestações iniciais, a marcha teve início por volta das 18h, rumo à Praça do Tambor. No percurso, nas imediações da Usina do Gasômetro, integrantes do Conselho do Povo de Terreiro realizaram uma homenagem à Oxum. Flores foram jogadas nas águas do Guaíba.

 

Uma das primeiras pessoas a chegar no local, Denise de Vargas, 49 anos, integrante do Movimento Negro, enfatizou a importância do movimento negro, que é uma luta diária de sempre reafirmar a existência da população negra. “Parece que a sociedade nos esqueceu, nos ignora, nos oprime, por isso é importante estar no movimento. E o movimento não é só um dia, tem que ser diário. E ele contem esse dia especial onde todo mundo se reúne para trocar ideias, discutir”, afirma.

 

Ato contou com roda de capoeira / Foto: Jorge Leão

 

Da mesma forma, Alair Rosinete Silva Simão, 68 anos, do Movimento Negro e integrante da Comissão de Saúde da População Negra do Conselho Municipal de Saúde, disse que o 20 de novembro deve ser comemorado, mas ressaltou que todo dia é dia de negro. Ela lamentou o fato deste dia não ser feriado, justamente no estado onde a data comemorativa foi idealizada.

 

O bancário Guaraci Padilha Gonçalvez, 68 anos enfatizou a importância de estar sempre mobilizado na luta contra o racismo. “É importante a gente defender a democracia, lutar contra o fascismo, racismo e ter a compreensão que a mobilização nunca acaba. Viva zumbi, viva Dandara!”, diz.

 

Na avaliação da estudante universitária Pâmela de Campos Madeira, 21 anos, o dia 20 de novembro reafirma a importância das políticas públicas o da demarcação de território do povo negro. “Apesar de ter acabado a escravidão, ainda vemos muitas sequelas disso. Como o racismo é estrutural, precisamos construir bases e levar isso até as escolas para construir uma sociedade sem racismo, para que consigamos fazer mais ações afirmativas, até mesmo dentro das empresas”, avalia.

 

Manifestantes lembraram também os dois anos do assassinato por espancamento e asfixia de João Alberto Freitas, o Beto, no estacionamento do Carrefour / Foto: Jorge Leão

 

Porto Alegre, um núcleo de resistência

Durante o ato e em muitas manifestações, a figura de Oliveira Silveira foi lembrada. O poeta e militante negro gaúcho idealizou o 20 de novembro junto com o grupo Palmares. Também foi lembrado que Porto Alegre é uma cidade mais racistas do país. Para os manifestantes, esses fatores fazem com que haja uma resistência forte na Capital.

 

“Aqui foi quilombo, aqui teve sangue derramado, mãos negras construiram essa cidade. Estamos fartos senhor, não pode haver democracia com racismo”, ressalta Iya Sandrali Bueno, que veio direto de Pelotas para o ato.

 

Resistência em Porto Alegre / Foto: Fabiana Reinholz

 

A servidora pública Ângela Antunes de Souza disse que novembro é um mês importantíssimo para lembrar os que vieram antes e para lutar por aqueles que virão depois. “É um momento de reflexão, de homenagem, tanto para Zumbi do Palmares quanto Dandara. Estou aqui como servidora pública porque a luta antirracista não é uma luta só do movimento negro, é uma luta de toda a sociedade, entidades sindicais e movimentos sociais. É uma luta permanente”, frisa.

 

“A importância do 20 de novembro é mostrar o que é a falsa abolição. Grande parte dos nossos não sabe o que aconteceu em 1888. Na verdade, muitos acham que foi a caneta da princesa que libertou o nosso povo. Eles só tiraram as correntes, mas elas continuam na mente de muitas pessoas”, recorda Medusa Cafelê, 61 anos, do povo de terreiro. “Hoje é dia de reivindicar que as pessoas façam o resgate histórico de quem foi o povo que construiu esse país. Nós fomos os primeiros sem-terra e sem-teto desse país, fomos excluídos de tudo, mesmo após a abolição”, completou.

 

O presidente do Conselho Estadual do Povo de Terreiro, Baba Diba de Iyemonjà disse que a reflexão do dia deve girar em torno do tema do racismo como estruturante do próprio Brasil, e que é diferente de preconceito. “O racismo não precisa estar no papel. Está na prática e no pensamento do povo brasileiro, sobretudo do povo branco, que nega espaço, cidadania e humanidade para o povo preto”, explica.

 

Baba Diba reforçou a continuidade do genocídio do povo preto, seja pela pandemia ou pela “mão criminosa do Estado”. Também reiterou que, cada vez mais, o povo branco precisa ser envolvido no debate sobre o racismo, pois é a raça que criou e se beneficia desse sistema.

 

Além disso, ressaltou que o racismo religioso é “a mais perversa face do racismo brasileiro. Quando se comete racismo contra o povo de terreiro, se tenta matar o sagrado que está em nós, a nossa ancestralidade, a nossa raiz”. De acordo com Baba Diba, Porto Alegre tem cerca de 10 mil terreiros, e em todo o Rio Grande do Sul seriam cerca 65 mil. “É um dos estados com maior número de terreiros no país”, aponta.

 

Vidas negras importam / Foto: Jorge Leão

 

Derrubada do mito da igualdade racial

“O 20 de novembro é uma data fundamental pois, ao longo das últimas décadas, foi o movimento negro que impulsionou a ruptura com o mito da democracia racial do Brasil. A gente provou realmente o racismo existia e a partir daí passamos a ampliar a luta pelos nossos direitos”, destacou o vereador e recentemente eleito deputado estadual, Matheus Gomes (PSOL).

 

O parlamentar ressaltou as ações afirmativas entre os direitos conquistados. Para ele, contudo, a maior presença de negros no ambiente de mídia, política, cultura e no debate de ideias no geral é produto da força que o movimento negro adquiriu a partir da mobilização do Dia da Consciência Negra.

 

Para a vereadora e também eleita deputada estadual Bruna Rodrigues (PCdoB), o 20 de novembro é um dia que marca o encontro e, “acima de tudo, é mais um dia de luta do povo negro. Não é só hoje, mas hoje a gente a marca a resistência do nosso povo, que ainda precisa garantir direito à vida.”

Ela avalia que “a derrota de um governo que escolheu a morte” foi também resultado de um levante popular do povo negro. “Agora nós vamos reconstruir um outro marco da luta antirracista”. A parlamentar também pontuou a conquista da bancada negra de Porto Alegre, que conseguiu eleger os mandatos na Assembleia Legislativa do RS, “uma conquista do povo preto gaúcho”.

 

O assessor parlamentar Josiel Rodrigues, 29 anos, disse estar na marcha por entender que a pauta racial ocupa uma centralidade muito grande. “A gente vem de um processo de descaso do povo negro, de desmonte que é revertido a partir da eleição de Lula e derrota de Bolsonaro”, pontua. “Agora é que a gente tem oportunidade de pautar políticas públicas de dignidade ao povo preto, combater o extermínio da juventude negra, o encarceramento em massa e tantas outras pautas que são sensíveis para superação do racismo”, finaliza.

 

Estavam presentes as deputadas estaduais, Sofia Cavedon (PT) e Luciana Genro (PSOL), a deputada Federal Fernanda Melchiona (PSOL), o vereador Jonas Reis (PT).

 

Abraço pela preservação da Redenção

 

Abraço em defesa da Redenção / Foto: Jorge Leão

 

Antes da marcha, no início da tarde de domingo, o Coletivo Preserva Redenção, articulação que reúne mais de 80 entidades, promoveu um abraço em Defesa da Redenção Pública. Os manifestantes iniciaram a concentração junto ao Monumento do Expedicionário. O ato reuniu centenas de pessoas contrárias à proposta da Prefeitura de Porto Alegre de conceder o parque a uma empresa privada.

 

Para a organização, a proposta da prefeitura traz riscos ambientais e perda da autonomia das manifestações democráticas, artísticas e culturais em nome de atrair público com maior poder financeiro.

 

Na sexta-feira (18), a Câmara de Vereadores de Porto Alegre sediou uma audiência pública para discutir os projetos de concessão do Parque e também do Calçadão do Lami, na zona Sul da cidade.

 

Intervenção artística na Redenção / Foto: Jorge Leão

 

Coleta de assinaturas em defesa da Redenção / Foto: Jorge Leão

 

Abaixo mais fotos da Marcha Zumbi Dandara

 

Foto: Jorge Leão

 

Foto: Jorge Leão

 

Foto: Fabiana Reinholz

 

Foto: Fabiana Reinholz

 

Foto: Jorge Leão

 

Foto: Fabiana Reinholz

 

Oferenda aos orixás / Foto: Fabiana Reinholz

 

Foto: Fabiana Reinholz

 

Foto: Fabiana Reinholz

 

 

Fabiana Reinholz | Brasil de Fato | Porto Alegre | 21 de Novembro de 2022 às 16:15 | Edição: Marcelo Ferreira | *Com a colaboração de Pedro Neves Dias

 

Leia Também:

SindjoRS, dentro da programação dos seus 80 anos, promove ações no mês da Consciência Negra

“Com racismo, não há democracia”, destaca Marcha Zumbi Dandara em Porto Alegre

 

 

Tags: Brasil de Fato RS - Central Única dos Trabalhadores RS - CUT-RS - Federação de Jornalistas da América Latina e Caribe (Fepalc) - Federação Internacional dos Jornalistas - Federação Nacional dos Jornalistas - FENAJ - FIJ - Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) - jornalismo - jornalistas - Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS - SINDJORS
Cadastrada em 22/11/2022


Clicando em "Aceito todos os Cookies", você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a experiência e navegação no site.