Detalhes Notícia


“Mulheres jornalistas somam 64% da categoria, mas homens ocupam os cargos sindicais”

Entrevista com Samira de Castro, Diretora da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), realizada no JTT – A Manhã com Dignidade

 

Em pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi demostrado que a categoria dxs jornalistas é formada em um 63% por mulheres, e, entre elas, apenas 5,3% são negras. Tendo em vista a falta de políticas para essa maioria feminina e as dificuldades das jornalistas que se encontram em grande parte no movimento sindical que é majoritariamente masculino, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) organizou uma capacitação de mulheres jornalistas para atuação no movimento sindical. A ideia da capacitação é ser um espaço de acolhimento para mulheres jornalistas e será realizada no dia 13 de novembro de forma gratuita.

 

A pesar de serem maioria, as mulheres ocupam menos cargos de coordenação dentro dos sindicatos de jornalistas. A própria FENAJ, composta por 31 sindicatos, em seus 75 anos de atuação só foi presidida por 2 mulheres. Segundo Samira, faltam programas de formação de lideranças mulheres dentro dos sindicatos e pautas especificas para as mulheres jornalistas nas campanhas salariais.

 

Em um contexto de precarização da profissão, as mulheres são as mais afetadas. A Reforma Trabalhista aprovada em 2017 minou a sustentação financeira dos sindicatos e, com falta de recursos, a primeira medida da maioria dos sindicatos foi acabar com as assessorias de imprensa. “Como que uma entidade que briga pelos direitos de sua categoria ajuda a precarizar o outro profissional que está dentro da estrutura?” pergunta Samira.

 

Assista à entrevista:

 

Fonte: Desacato – A mídia dos trabalhadores/as

 

 

Tags: Federação Internacional dos Jornalistas - Federação Nacional dos Jornalistas - feminismo - FENAJ - FIJ - jornalismo - jornalistas - perspectiva de gênero - Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS - SINDJORS
Cadastrada em 23/11/2021